top of page
  • Foto do escritorColaboradoras da Liga

Liga Convida: Isabela Ribeiro

Atualizado: 27 de ago. de 2023

No início do mês de julho, nos dias 5 e 6, aconteceu em Galway na Irlanda, o evento “2013-2023: 10 anos da Declaração de Galway – Celebrando a década de cooperação científica marinha por todo Oceano Atlântico, Nosso Recurso Comum”.


A celebração ocorreu na mesma cidade na qual a Declaração foi assinada, especificamente na University of Galway, e foi coorganizada pelo Governo Irlandês e a Comissão Europeia, reunindo pesquisadores, parceiros e outros atores importantes de países fronteiriços ao Oceano Atlântico. Eu, Isabela Ribeiro, fui convidada para estar lá e representar os Profissionais do Oceano em Início de Carreira (ou ECOPs para a sigla do termo em inglês) brasileiros e vou contar para vocês um pouco sobre essa importante declaração, do porquê ela é importante, o que aconteceu nesse evento de 2 dias e quais são os planos para o Oceano Atlântico na próxima década.


A Declaração de Galway foi um acordo de cooperação firmado entre pesquisadores da União Europeia, Estados Unidos e Canadá no ano de 2013. O acordo tinha como objetivo aumentar o conhecimento científico sobre o Oceano Atlântico, através de esforços interdisciplinares e pesquisa internacional colaborativa, para fomentar a gestão sustentável desse ecossistema. Desde a sua criação, a Declaração de Galway obteve reconhecimento global e vem catalisando iniciativas, projetos e desenvolvimentos de políticas públicas que buscam endereçar questões urgentes das ciências do mar.


Além de impulsionar a restauração de ecossistemas marinhos, também atua na proteção de comunidades costeiras frente as mudanças climáticas, promove avanços em sistemas de pesquisa e observação do oceano e alinha programas e estratégias para garantir a sustentabilidade do Atlântico, a Declaração de Galway originou novos e imprescindíveis acordos diplomáticos entre pesquisadores como: Declaração de Belém sobre a Cooperação em Pesquisa e Inovação no Oceano Atlântico (2017) e a Aliança de Pesquisa e Inovação de Todo o Oceano Atlântico (AAORIA - 2022).


Ambos os acordos potencializam e ampliaram o escopo internacional da Declaração de Galway, já que em 2017, países do Atlântico Sul, como Brasil, Argentina e África do Sul passaram a integrar o rol de colaboradores, trazendo uma dimensão “polo a polo” de todo o Atlântico. Em 2022, com a criação de uma aliança de pesquisa e inovação para o Atlântico, uma nova escala de cooperação em pesquisa e ciência entre países da União Europeia, Brasil, Canadá, Cabo Verde, Marrocos, África do Sul e Estados Unidos foi estabelecida.


Nota-se que muito avanços ocorreram na última década e, nada mais justo que uma celebração para refletir sobre o quanto avançamos, mas também sobre o quanto precisamos e queremos avançar na sustentabilidade do Atlântico na próxima década. A programação para os dois dias de evento foi intensa e recheada de diversos temas que foram desde o impacto da poluição por plástico até sobre o mapeamento do mar profundo. O Brasil teve um importante protagonismo em diversas ações-piloto desenvolvidas com outros parceiros da AAORIA, como:

All-Atlantic Atlantic Ocean Capacity Development and Training Platform (AA-TP), uma plataforma para desenvolver iniciativas e cursos de capacitação para cientistas e técnicos em início de carreira na ciências do mar (https://allatlanticocean.org/all-atlantic-joint-actions/all-atlantic-ocean-capacity-development-and-training-platform/);

All-Atlantic Blue Schools Network (AA-BSN), uma rede de escolas de diversos países atlânticos que buscam aumentar a cultura oceânica para um mundo sustentável (https://allatlanticblueschools.com/);

All-Atlantic Marine Biotechnology Initiative (AA-BIOTECMAR), uma iniciativa destinada ao desenvolvimento de tecnologias novas e emergentes, incentivando o uso sustentável dos recursos marinhos (https://allatlanticocean.org/all-atlantic-joint-actions/all-atlantic-marine-biotechnology-initiative/);

All-Atlantic Data Enterprise 2030 (AA-DATA2030), uma plataforma que congregará todos os dados coletados em pesquisas no Oceano Atlântico (https://allatlanticocean.org/all-atlantic-joint-actions/all-atlantic-data-enterprise-2030).

Outro momento relevante do evento foram as sessões de diálogo intergeracional entre EOP - Experienced Ocean Professionals e ECOPs. Os especialistas de diferentes idades e backgrounds foram colocados juntos em uma sala para discutir possíveis iniciativas que a AAORIA pudesse subsidiar nos próximos anos, tratando das prioridades de pesquisa e inovação estabelecidas na Declaração de Washington:

(i) mudanças climáticas e seus impactos no oceano e região polar;

(ii) proteção e conservação dos ecossistemas e biodiversidade marinha;

(iii) a poluição por plástico no mar;

(iv) pesca e aquacultura sustentáveis; e

(v) mapeamento do fundo do oceano.


O debate perdurou por uma tarde e promoveu um super engajamento entre os ECOPs, que já estão se articulando para dar continuidade às ações propostas por eles durante o evento.

Sessão de diálogo intergeracional entre profissionais seniores e em início de carreira, em Galway, Irlanda

Ademais, o evento também ressaltou a urgência na transição energética para frear as mudanças climáticas, assim como a necessidade de promover capacitação, voz e acesso a nova geração de ECOPs, e da importância de se endereçar as diferenças institucionais entre países do norte e países do sul.


Ao final, fica o entendimento de que avançamos muito na última década, mas que há muito trabalho e desafios pela frente. Não será fácil, porém é muito reconfortante saber que há dezenas de pessoas, cientistas, ECOPs, governantes e ativistas pensando e trabalhando juntos por um Oceano Atlântico mais saudável e sustentável.


Sobre a autora:

Isabela Ribeiro é Oceanóloga e Mestra em Gerenciamento Costeiro pela Universidade Federal do Rio Grande. Atualmente é doutoranda em Ciência Ambiental no Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo, onde pesquisa temas relacionados a poluição por plástico, políticas públicas e governança do oceano, e gestão para as mudanças climáticas. Desde a graduação tem profundo interesse pela relação ser humano-natureza e seus impactos, e busca através de seu trabalho e pesquisa a construção de um mundo mais sustentável e justo para todos os seres.


65 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


adyfcarvalho
Jul 27, 2023

Quero parabenizar a pesquisadora Isabela Ribeiro por tanto empenho e dedicação nessa área que ainda tem muitos mistérios! Tenho orgulho em saber que uma personagem feminina vem se destacando nessa área. Parabéns! Que Deus sempre te acompanhe Nessa Missão!!

Like
bottom of page