• Natalia Grilli

Liga Convida: Lívia "Gaby" Viana

Por Mariana Campagnoli


Engana-se quem pensa que a atividade pesqueira é realizada apenas por homens. Ao contrário, é muito comum encontrar mulheres realizando as mais variadas tarefas associadas à pesca: confeccionando redes, capturando mariscos, moluscos e peixes, eviscerando, filetando e processando os pescados, confeccionando alimentos e comercializando-os, etc. Estas tarefas, muitas vezes vistas como complementares, na verdade, são essenciais ao setor pesqueiro. Cerca de 25% da atividade pesqueira no Brasil é fruto da mão-de-obra de mulheres. Apesar desta porcentagem significativa, só em 2006 foi oficializada a Articulação Nacional de Mulheres Pescadoras, que luta pelos direitos trabalhistas das pescadoras, e pela igualdade de gênero no setor pesqueiro. Ainda hoje, muitas mulheres trabalham sem a proteção necessária para garantir sua segurança, sofrem constantemente com atitudes machistas, e, muitas vezes, trabalham em uma jornada dupla: as atividades de pesca, somadas aos trabalhos domésticos e de criação dos filhos, tarefas que frequentemente recaem sobre elas.


Inserida neste cenário, está a protagonista do Liga Convida deste mês, uma produtora de algas chamada Lívia “Gaby” Viana. Para comemorar o dia do pescador, no dia 29 de junho, Lívia foi convidada pela Liga para falar um pouco sobre a história da comunidade de produtores de algas de Trairi, no Ceará. A mãe e o pai de Lívia sempre viveram da pesca, e se alternavam entre esta atividade e a criação de sete filhos! Hoje em dia, a família Viana faz parte da associação de produtores de algas, formada há mais de 20 anos, e todos ajudam no cultivo das algas. Além de participarem ativamente do cultivo, eles recebem grupos escolares que visitam sua barraca de praia, nomeada de “Barraca das Algas”. As visitas envolvem palestras educativas, degustação e venda de produtos feitos com algas, e uma aula de campo na praia de Flecheiras. Ainda, Lívia toca um restaurante na Barraca das Algas, onde cozinha diversos pratos à base de algas. Ficamos morrendo de vontade de experimentar o refogado, a salada de algas, e a cocalgas!

No meio de toda essa correria, Lívia compartilhou conosco uma breve reflexão sobre a história da sua família, e sua preocupação com os impactos da atividade humana sobre os oceanos. O texto escrito por Lívia você confere a seguir:


“Eu sou Lívia, sou filha e neta de pescador, sou do litoral do Ceará. Desde pequena, tenho visto e ouvido meus pais trabalhando com algo relacionado ao Mar, essa beleza divina e natural que tenho o prazer de ver todos os dias. Meu pai pescou muito, me recordo das grandes farturas dos tempos de menina, que sustentavam uma família de sete filhos: peixes, lagosta, algas. Para nós o alimento do dia, hoje é ouro para muitos. Vejo nossa riqueza ameaçada por pesca predatória, eólicas e muito lixo. Um mundo de restos jogado no mar. As comunidades tentam se organizar: limpeza da praia, conscientização dos turistas e nativos. Por exemplo, Flecheiras, Guajiru e praias vizinhas, nos últimos anos, têm sofrido um grande avanço do turismo: hotéis, condomínios, pousadas… Chega também o trabalho para muitos, porém juntamente um impacto incalculável no nosso ambiente costeiro. Eu não sei bem sobre o amanhã, mas espero e acredito que futuras gerações possam usufruir do que restar de nossas belezas naturais, tendo a oportunidade de pescar, ser conhecedor do mar e seus mistérios, comer peixe sadio, ter praia limpa, e escutar histórias de pescadores vividas por pessoas que se arriscam diariamente para trazer o sustento à comunidade. Dessa forma, mantendo a tradição de pescadores artesanais que hoje ainda lutam por espaço, que eu considero seu por direito.”


Pois é, Lívia, nós compartilhamos da sua preocupação, e também esperamos que as futuras gerações possam apreciar as belezas naturais dos oceanos, e manter viva a cultura dos pescadores de Trairi, e de todas as regiões brasileiras, por anos a fio.


Sobre as autoras:

Mariana Campagnoli é bióloga, mestre e doutoranda em Ecologia e Recursos Naturais, e colaboradora de conteúdo da Liga das Mulheres pelo Oceano.







Lívia Gaby Viana é produtora de algas e cozinheira da Barraca das Algas em Trairi, Ceará.










Referências:

https://www.funbio.org.br/wp-content/uploads/2019/08/Mulheres_na_Atividade_Pesqueira_no_Brasil.pdf

https://www.cartacapital.com.br/sociedade/mulheres-que-trabalham-na-pesca-historias-de-desigualdade-e-opressao/


35 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo